Características das Suculentas

 

       As suculentas são plantas que acumulam água em um ou mais de um dos seus tecidos. Por serem de regiões secas precisam de

uma reserva para os longos períodos de estiagem. Elas podem armazenar água nas raízes, caules, troncos, folhas etc. Por isso muitas

vezes apresentam folhas, troncos ou o caule "gordinhos", cheios de água, daí o nome "suculenta". As suculentas usam alguns "truques"

para diminuir a perda de água, como envolver as folhas com uma fina película de cera ou uma camada bem densa de espinhos sombrear

o corpo da planta. Muitas suculentas desenvolveram também um metabolismo diferente, chamado CAM (metabolismo do ácido

crassuláceo), onde as plantas fecham os estômatos durante o dia e os abrem durante a noite. Estômatos são pequenas aberturas nas

folhas que absorvem o dióxido de carbono, enquanto as raízes absorvem água. O alimento para a planta é produzido pela fotossíntese,

combinando a água e o dióxido de carbono para produzir açúcares. Nesse processo (fotossíntese) o oxigênio é produzido e liberado no

ar. No caso das suculentas o dióxido de carbono absorvido durante a noite é liberado gradativamente durante o dia, combinado com

vários ácidos orgânicos (ácido málico).

Durante o dia este ácido é transformado em açúcar pela ação da fotossíntese. As suculentas são sempre de região seca, porém podem

ser de regiões secas quentes ou regiões secas frias como Alpes ou Bálcãs (Sempervivum). As espécies de suculentas são em torno de

22.000, sendo 2.000 espécies de cactos. As suculentas não são uma família, mas um grupo de plantas. Algumas famílias, como a das

cucurbitáceas (abóboras), possuem espécies que são suculentas, mas não todas. Há muita confusão também entre cactos e suculentas.

Os cactos são de uma família do grupo das suculentas (Cactaceae). Todo cacto é uma suculenta, mas nem toda suculenta é um cacto.