Gratidão

Marcos Ribeiro, pai das minhas filhas, que me incentivou desde o começo e que, em julho de 1999, me deu de presente de aniversário

uma viagem à Holambra e Campinas, com direito a encher o carro com todas as suculentas que eu quisesse e que coubessem no porta-

malas.

 

Weber e Liliana, que me ajudaram a plantar os primeiros canteiros da estufa e que sempre acreditaram em mim e me incentivaram. 

 

Wanda Pessoa, mulher admirável, artista nata, que me incentiva até hoje. Foi a primeira a comprar meus vasinhos. Nunca me esqueço do

dia em que ela foi à estufa e comprou 12 ou 15 vasos de parede, todos de Rhipsalis. 

 

D. Minervina, minha primeira sogra. Que figura. Uma alma indescritível. Ela fazia tudo com tanto amor, era tão amorosa com as pessoas,

animais e plantas que eu queria ser 1% do que ela era. Ficar na companhia dela em silêncio era um aprendizado. Mas subir a Serra e

apanhar musgo para os antúrios dela, não tinha preço. 

 

Mônica Ribeiro, que fez um levantamento de ceramistas de BH e que foi comigo de um em um para escolher os primeiros vasos

“assinados” que comprei. 

 

Ivone e Nei, meus ceramistas craques. Tudo que eu imaginava ou sonhava eles faziam, no maior bom humor. 

Toninho, Isael, Edmar, Laura, Letícia, Sérgio, Paulo, Rosinha, Reis, Aline, Fabíola, Vaninha e Janete que foram ou ainda são meus

colaboradores na estufa. Sem eles eu nada poderia. 

 

Padre Luciano, que nesse último ano esteve presente na minha vida, me escutando e me suportando nos momentos de desânimo e

dificuldades. Ele é outro apaixonado pelas suculentas (e por  todas as outras plantas e animais, meio São Francisco ou Menino do Dedo

Verde). Nossas permutas me permitiram recuperar plantas que eu havia perdido e conseguir novas. Sua benção. 

A benção do Padre Luciano chegou no meio de outubro, quando ele nos abençou e honrou com sua visita. Trabalhou todos os dias, me

dando uma ajuda muito preciosa na organização do trabalho do pessoal dentro da estufa. No último dia dele aqui, nos reunimos na

estufa, todos os trabalhadores e ele benzeu uma água e nos benzeu e a às estufas e disse palavras que tocaram profundamente em

todos. Muitos saíram com lágrimas nos olhos. 

 

Rodrigo, que retornou à casa para administrar o site e cuidar da logística de envio e controle da produção. 

 

Papai e mamãe, que sempre se orgulharam do meu trabalho. 

 

Teresa, minha irmã, que muitas vezes me ajudou e que ainda me ajuda. 

 

Kênia Ribeiro, Daniela Pessoa, Maria do Carmo Moreira e todas as pessoas que “acreditaram” e comercializaram meus produtos. 

 

D. Jacy, minha sogra, que enfrentou uma viagem numa Van desconfortável até alguns viveiros em SP (quase 1000km de viagem) só para

me fazer companhia. 

 

Aos meus amigos no facebook e na vida, que desde que retomei o trabalho com as suculentas foram sempre carinhosos e acreditaram

que ia dar certo. 

 

Márcia Chang, que há muitos anos falava em comprar nossas cerâmicas. Foi uma das primeiras compradoras através do facebook e se

tornou a minha “garota propaganda”. 

 

Sueli Honório e Vanessa Albuquerque, de Campo Grande, que foram as primeiras compradoras através do facebook. Valeu meninas. 

 

Ethelzi, Márcia e Beatriz Vuelta, Ritinha, Eliete e Virgínia, Tânia Takasaki, Tania Campos, Luiza Gomes, Marlon, Alice, Viviane(primeira

visita), Luiza Ferreira, Pre, Graciela, Vera, Cristina, Carolina, Márico, Leo, Jarlene, Aninha Claudia, Maria Ines, Van Skupin, Jussara, Yuiti,

André Emmer, Leopoldina, Vinicius, Francisco Iturralde e Milagros, Francisco e Luciana, Calazans, Franklin, Silvana, Vanessa, Kakati,

Gui, Leo Gonzales, Carmem Nery, Cícero, e todos mais que terão minha gratidão eterna, apesar do nome estar invisível aqui.

 

Finalmente, Luísa e Maria, minhas filhas, hoje minhas sócias no negócio, que tiveram muita paciência, tendo que me chamar várias vezes

para ir almoçar, quando eu estava plantando vasos na estufa e me distraía com o tempo.

 

 

 

Com meu olhos, eu vejo Deus de manhã, quando eu acordo,  no céu, na terra na água e no sol. 

Lembro das minhas filhas seguindo seus caminhos, com saúde, desafios e dificuldades, mas com coragem e determinação. E Deus está

ali com elas. 

Lembro dos meu pais que estão no céu. E Deus está ali com eles. 

Tomo meu café com pão e Deus está ali naquela pequena refeição. 

Vou para a roça, e quando entro na estufa e vejo tantas maravilhas sinto uma sensação indescritível. É muita maravilha meu Deus! Como

podem ser tão coloridas, ter formas tão diferentes. Às vezes ele capricha e faz umas pintadinhas. Igual tem as pessoas sardentinhas.

Essas são especialmente graciosas. E aquelas que ficam avermelhadas, como as pessoas bronzeadas na praia. Tem coisa mais linda?

Eu não me canso de admirar.

 

Senhor, obrigada.

 

 

 

                                                               Muito obrigada.